18.8.11

Sem ver azuis

Do outro lado da rua te pressinto,
[te espreito.
Com ares de louco me escondo
(devaneio)
De teus olhos sem cor identificada.
Com mãos vazias
(vazias?)
Desfolho teus versos antigos
(feitos de partes minhas).
Com olhos bem abertos...
Não, melhor fechá-los.

Nenhum comentário:

Postar um comentário