3.9.11

Por temor da noite

Teu hálito tão quente
(e tão próximo...)
Me avisa que o dia acabará
(num instante.)
Sem sobressaltos ou olhares furtivos
Busco refúgio numa janela
[aberta pra lugar algum.
Ir agora é deixar anoitecer.
Ir embora agora é não voltar mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário